Quando a expectativa encontra a realidade

analises

Quando a expectativa encontra a realidade

22 set 2022

DVinvestDVinvest
Depois de uma quarta-feira movimentada com decisões de política monetária no mundo, essa quinta promete volatilidade com ajuste mercados aos novos cenários propostos pelos bancos centrais.No Brasil e no Japão taxas foram mantidas, enquanto nos Estados Unidos, tivemos nova alta de 75 pontos base. Na manhã de hoje, as decisões sobre juros continuaram, com o Banco da Inglaterra (BoE) entregando a sétima alta consecutiva.

Abertura do mercado no Brasil

Por aqui, o dia deve ser movimentado, em maio aos ajustes das divulgações de ontem. A decisão do Banco Central, comunicada após o fechamento dos mercados, deve ser sentida nas negociações de hoje.Além disso, investidores seguem digerindo a decisão do banco central norte-americano, que continua subindo taxas, e deve promover maior aversão a risco nos mercados.Como comentado nas edições desse morning call ao longo da semana, a expectativa era de que o Copom mantivesse a taxa básica de juros no patamar atual de 13,75%.De fato, a expectativa, dessa vez, se encontrou com a realidade, e não tivemos surpresa.O que chama atenção continua sendo o tom cauteloso adotado pelos membros do comitê, e interpretado como hawkish por partes do mercado.Em comunicado o BC anunciou a manutenção da taxa, destacando que a decisão não foi unânime, com dois votos dissidentes, além de ressaltar que eventuais altas não estão descartadas, caso os preços voltem a ganhar força.Em resumo, o cenário que se projeta por aqui indica estabilidade. Com crescimento econômico, e preços sob controle, a expectativa é que o patamar de juros se mantenha em nível restritivo por período mais longo, à medida que o BC ainda não sinaliza uma redução nas taxas.Para hoje, apesar da agenda esvaziada, os juros futuros devem se movimentar em ajuste às decisões do Copom.Ontem, na expectativa da divulgação, os vértices intermediários e longos registraram queda de 20 pontos base, movimento que deve se estender nos próximos dias.Outro fator que promete movimentar os DIs, é a oferta de prefixados do Tesouro, com LTNs para os vencimentos de 2023, 2024 e 2026, além de NTN-Fs para os vencimentos de 2029 e 2033.

Abertura do mercado nos EUA

Nos EUA, o tom dos mercados deve ser dado pelos reajustes de portfólios na esteira da decisão do FED. Obanco central norte-americano promoveu o terceiro aumento consecutivo de 75 pontos base nos juros por lá. Assim como aqui, a expectativa encontra a realidade, uma vez que esse era o cenário precificado pelos mercados.A divulgação trouxe, e deve continuar a trazer volatilidade aos mercados. O novo aperto monetário continua a dar força a moeda americana, e deve seguir consumindo a atratividade de ativos de risco.O rendimento dos títulos do tesouro, no entanto, segue ganhando força, em especial os vencimentos mais curtos.O treasury de 2 anos voltou a ser negociado acima de 4% a.a., maior nível desde2007.Em seu discurso sobre a decisão do comitê, Jerome Powell, Presidente do FED, comunicou o aumento sob o mesmo tom desde Jackson Hole, indicando a necessidade de levar os juros a campos mais restritivos para combater a arrancada de preços, indicando que os juros que estão entre 3,00% e 3,25%, podem chegar ao patamar 4,25% ainda esse ano.Por lá, o tom de aperto monetário segue o mesmo, e as discussões agora giram em torno das próximas decisões do comitê.Segundo Powell, a estratégia é definida a cada encontro, e que assim, o banco central segue aguardando dados e indicadores econômicos que deem suporte às decisões do FED para a próxima reunião.Para hoje, o dia deve trazer informações de pedidos de seguro-desemprego, com estimativas apontando para 217 mil novos pedidos contra 213 mil registrados na última marcação.A divulgação acontece 9h30, e ajuda a compreender o cenário de emprego na economia norte-americana.

Abertura do mercado na Europa

Na Europa o dia tem decisão de juros no Reino Unido. Agora pela manhã o Banco da Inglaterra, se reuniu para decisão sobre política monetária.O BoE promoveu o sétimo aumento consecutivo nas taxas, com nova alta de 50 bps.O banco segue pressionado pelos altos preços que tem deteriorado a qualidade de vida da população, principalmente os altos custos de energia, enquanto tenta equilibrar o aperto monetário com o pacote de auxílios à população, que deve envolver mais de 40 bilhões de libras.

Mercado Interno

O Ibovespa encerrou o pregão de ontem em queda de 0,52%. O dia foi marcado por decisões de juros e trouxe volatilidade ao índice.A decisão de novo aperto monetário, e as indicações de manutenção desse ritmo nos EUA, pesaram sobre mercados globais, o que se sentiu aqui.Por aqui, a decisão sobre os juros, em que o BC manteve a taxa básica em 13,75% só deve ser refletida nos mercados no dia de hoje, e deve destravar valor de ativos de maior risco, que vinham sofrendo com a escalada dos juros.

Análise técnica Ibovespa

analise-tecnica-ibovespa-22-de-setembro_its-money.pngO IBOV apresentou uma leve queda ontem, mas a expectativa segue positiva no curto prazo. Isto é, pensando em probabilidade, é mais provável que o índice busque a região dos 113.800 pontos.Vale salientar que antes dessa região, temos também os 113.400 pontos onde o índice pode apresentar uma movimentação mais lateral.Caso o IBOV venha buscar perder os 111.380 pontos e fechar abaixo dos 111.250, aumenta-se a expectativa negativa. Pois este estaria perdendo dois níveis importantes, dentre eles a média móvel.Olhando para um período mais acima, gráfico semanal, o índice está passando pela sexta semana de correção mais no tempo do que no preço.Ou seja, não apresenta uma queda forte e sim uma movimentação mais lateral se sustentando nas médias.Em que a superação dos 113.300 torna-se interessante olhar para operações na ponta compradora, isso para o médio prazo.

Mercado Externo

Nos EUA, o índice S&P fechou o dia em queda de 1,71%. Como mencionamos, o mercado de ações norte-americano deve seguir amargando perdas em meio ao cenário de maior aperto monetário.O FED segue alinhada em sua estratégia de escalada dos juros para controlar a alta de preços.Dessa forma, uma desaceleração da economia norte-americana é inevitável e deve se refletir nos resultados das empresas, prejudicando assim seu desempenho.As perspectivas, sob nossa ótica continuam negativas para ações americanas.

Análise técnica S&P500

analise-tecnica-ibovespa-S&P-500-22-de-setembro_its-money.pngO S&P500 apresentou um dia de queda significativo perdendo os 3.820 pontos, o que aumenta a expectativa negativa no curto prazo.Entretanto alcançou um nível importante dos 3.770 pontos, isto é, o índice pode passar por uma possível correção no tempo (movimento mais lateral) ou no preço (buscando a média móvel), após esse longo movimento de baixa.Por isso, apesar do cenário mais negativo, deve-se tomar cuidado em operações na ponta vendedora, já que o índice se encontra em uma região importante.A perda dos 3.750 aumenta a probabilidade de o índice buscar os 3.670 pontos.Olhando para o médio prazo (gráfico semanal), a expectativa também é mais negativa. Em que S&P500 pode buscar a região dos 3.680 nas próximas semanas.

Commodities

O minério de ferro fechou a madruga em forte em alta nos mercados de Singapura e Dalian. Dados de produção de aço na China mostraram aumento da atividade, o que voltou a estimular a commodity.Além disso, estoques mais baixos na véspera do feriado da Semana Dourada, no gigante asiático, indica a necessidade de aumentar a demanda de minério para suprir os baixos estoques.O petróleo opera em alta nessa manhã de quinta-feira, ainda com cenário de fortes pressões na oferta e na demanda.Sob a ótica da oferta, o acirramento do conflito no leste europeu coloca pressão sobre a capacidade de oferta de óleo e gás da região.Tanto China quanto Europa são fortemente dependentes das commodities energéticas exportadas pela Rússia.No campo da demanda, o cenário de maior aperto monetário volta a colocar a demanda em risco, com uma desaceleração iminente das economias globais.

Análise técnica petróleo

analise-tecnica-petroleo-22-de-setembro_its-money.pngO petróleo fechou o dia em queda, porém não perdeu níveis importantes no curto prazo (gráfico diário).Isto é, se encontra ainda em um movimento mais lateral, sem demostrar força para queda.Pensando nos possíveis cenários, a perda dos USD 87,46/barril aumenta a expectativa negativa onde o ativo poderia buscar os USD 86,80/barril.Já para retomar uma perspectiva mais positiva, o primeiro sinal seria buscar fechar acima dos USD 92,40/barril superando a média móvel e a máxima dos últimos dias.Já no médio prazo, gráfico semanal, o petróleo está dentro de um movimento de queda, porém sem muita força. Dessa forma, deve-se tomar cuidado em operações na ponta vendedora.

Analistas responsáveis

Dalton Vieira – Analista CNPI-T

  • + 15 anos de experiência no mercado financeiro;
  • Analista de valores mobiliários (CNPI-TEM 910);
  • Credenciado pela Apimec desde 2010;Desenvolvedor do método DV de investimentos.

Henrique Tavares – Analista CNPI

  • Analista CNPI (CNPI EM-3176);
  • Credenciado pela Apimec;
  • Formado em Engenharia;
  • Aeronáutica pela Universidade Federal Uberlândia (UFU).

Leonardo Gibelli

  • Analista CNPI-T;
  • Analista CNPI-T EM-3376 credenciado pela Apimec;
  • Formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Disclaimer

De acordo com a Resolução CVM nº 20, de 25 de fevereiro de 2021, Art. 21º, declaro que as análises realizadas neste relatório refletem única e exclusivamente a opinião dos autores, e foram elaboradas de forma independente e autônoma.De acordo com o art. 21 da ICVM 598/18, caso o Analista esteja em situação que possa afetar a imparcialidade do relatório ou que configure ou possa configurar conflito de interesse, este fato deverá estar explicitado no campo “Conflitos de Interesse” deste relatório.As informações, estimativas e projeções contidas neste relatório referem-se à data de publicação e estão sujeitas a mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal alteração.As plataformas usadas para realização deste relatório são Bloomberg e Profit (Nelogica), além de portais de notícias nacionais e internacionais devidamente identificados quando utilizados.
DVinvest

DVinvest

A DVinvest é a casa de análise fundada pelo renomado analista Dalton Vieira, que possui em sua equipe profissionais altamente especializados em análise fundamentalista e técnica de ações.

Saber mais

Gostou do conteúdo?

Queremos sempre melhorar a experiência a sua experiência. Se puder, dê uma forcinha para o time de redação e conte o que você achou da edição de hoje.

O que achou deste conteúdo?

  • Ruim
  • Ótimo
As melhores análises do mercado

Receba em primeira mão as melhores análises do mercado financeiro diretamente em sua caixa de entrada. Nossa newsletter oferece insights exclusivos, tendências e perspectivas sobre o mercado.

Deixe-me ler primeiro uma amostra