Educação Financeira Onde Investir

Como juntar dinheiro para o intercâmbio?

Como juntar dinheiro para o intercâmbio?
  • Publicado em 12 de janeiro de 2023

Juntar dinheiro para o intercâmbio é o objetivo de muita gente. Porém, algumas pessoas acabam desistindo ou adiando essa missão justamente por receio dos custos envolvidos. 

Afinal, os intercâmbios parecem ser investimentos muito altos e difíceis de concretizar. Mas, só parecem. Com planejamento e organização financeira fica muito mais fácil estudar e trabalhar fora do país. 

Por isso, se o seu sonho é passar uma temporada no exterior, confira nossas dicas e informações sobre como juntar dinheiro para o intercâmbio – e boa viagem!

Como fazer um intercâmbio

O ponto de partida para fazer um intercâmbio e juntar dinheiro para colocar o pé na estrada é definir alguns aspectos importantes sobre ele.  Por isso, preparamos um pequeno passo a passo de tudo que você precisa definir para planejar sua viagem de estudo ou de trabalho. Confira!

1 – Escolha um programa

Os intercâmbios geralmente se dividem entre as categorias culturais, estudantis, acadêmicas e de trabalho.

A grande maioria dos intercâmbios é voltada para pessoas que buscam estudar um idioma de maneira mais imersiva. Então, esse é um dos tipos de programa de intercâmbio mais populares.

Mas existem também os intercâmbios para outras vivências e experiências. Por exemplo: para quem quer trabalhar de forma remunerada, para quem quer fazer trabalho voluntário ou para estudar e receber um certificado de proficiência.

Vale mencionar que não existe idade máxima para ser intercambista. Há estudantes desde os 14 anos até pessoas com mais de 60 anos, de escolaridades diferentes, que se aventuram nessa enriquecedora experiência.

2 – Defina o local

Depois, é interessante escolher o país e a cidade para onde você vai – sobretudo porque a partir dessa definição é possível ter uma ideia mais realista dos custos e fazer um planejamento financeiro consistente. 

Para estudar ou melhorar o inglês, por exemplo, é possível fazer intercâmbio em vários países com o idioma oficial – como Estados Unidos, Londres ou Austrália. 

Já para estudar francês, os destinos mais comuns são França, Mônaco e Suíça. E no Canadá, é possível se aprofundar nas duas línguas.

Percebe que as possibilidades de destino são inúmeras e dependem do seu objetivo?

Por isso, a dica é pesquisar o local que mais pode contribuir para a meta do seu intercâmbio – seja ela aprofundar-se no idioma, trabalhar ou se especializar na sua área de conhecimento.

Vale a pena, também, considerar a cultura do lugar. Assim, você consegue cruzar informações diferentes para definir com precisão um ambiente que goste, que faça sentido para suas metas e que caiba no seu orçamento.

3 – Estime o período

Intercâmbios podem ser feitos por um período que varia de 2 semanas a até 2 anos. 

Portanto, um passo importante do planejamento para saber quanto de dinheiro juntar para o intercâmbio, é definir por quanto tempo ficará fora do país

É possível encaixar um intercâmbio durante suas férias do trabalho ou dos estudos (4 semanas), ou se programar para passar de 3 a 6 meses fora – esses são os programas mais procurados.

4 – Feche o pacote

A maioria dos pacotes de intercâmbio costuma incluir os aspectos essenciais de todo o processo. Ou seja: o objetivo da viagem (por exemplo, a matrícula na escola de idiomas ou a contratação no local de trabalho), a acomodação e as passagens. 

Em outras palavras, os pacotes de intercâmbio englobam soluções que vão das mais básicas às mais completas. E por isso vale a pena avaliar cada um para comprar aquele que faz sentido para sua realidade e real necessidade.

Se você está pensando em investir para o futuro do filho por meio de uma experiência estudantil no exterior, por exemplo, talvez um pacote completo pode ser mais prático e seguro. 

Agora, você também pode fazer um intercâmbio por sua conta e tomar todas essas providências sozinho, se tiver bastante experiência. 

Mas é importante lembrar que cada país tem sua própria regra para receber estrangeiros que desejam passar uma temporada estudando ou trabalhando. 

Por isso, talvez a melhor alternativa para intercambistas que desejam mais autonomia, ainda,  é contar com pacotes – só que os mais simples e econômicos. 

Quanto custa fazer um intercâmbio

Um intercâmbio pode custar entre R$3 mil e R$100 mil, dependendo principalmente do tempo de duração e do destino. Ou seja: há uma variação muito grande porque existem diversos fatores que impactam os custos.

Entretanto, para dar uma ideia de quanto custa fazer um intercâmbio, preparamos a média de um dos programas mais populares: para estudar inglês por 3 meses nos Estados Unidos, você pode ter que investir cerca de R$35mil, sem contar o valor das passagens de ida e volta. 

Obviamente, é possível reduzir esse valor escolhendo uma hospedagem mais barata ou um curso mais em conta. 

Da mesma forma, é possível investir ainda mais caso você queira fazer um programa mais intensivo, ou uma hospedagem melhor localizada.

Assim, uma boa maneira de identificar os custos é compreendendo as variantes que afetam o valor do investimento em um intercâmbio.

Veja quais são:

  • Tempo de duração;
  • Carga horária das aulas semanais, para intercâmbios de estudo;
  • Mensalidade da universidade, para intercâmbios acadêmicos;
  • País de destino, por conta da moeda e valores de passagens;
  • Cidade, por causa dos valores de alimentação, hospedagem e transporte;
  • Objetivo – se você vai trabalhar ou apenas estudar. Inclusive é importante observar as regras para ambos objetivos dependendo do país.
  • Se você vai com um grupo de estudantes, vai com a família ou vai sozinho;
  • Se há a necessidade ou não de visto;
  • Qual o tipo de acomodação: casa de família, residência estudantil ou quarto privado;
  • Se o programa, caso você contrate um, inclui alimentação ou não – e quantas por dia;
  • Para intercâmbio de estudo, o tipo de curso: se é curso geral, executivo, intensivo, semi-intensivo, preparatório para exame, ou outro;

Vários pontos a pesquisar, não é mesmo? E que tal algumas simulações para ajudar a compreender os custos com um pouco mais de detalhamento? Veja o que preparamos, a seguir.

Quanto custa para fazer intercâmbio nos Estados Unidos

Fizemos uma simulação de um intercâmbio nos Estados Unidos com as seguintes condições:

  • Curso: geral de inglês;
  • Cidade: Berkeley, Califórnia;
  • Duração: 12 semanas (3 meses);
  • Carga horária das aulas: 16 horas por semana;
  • Acomodação: casa de família (homestay) com quarto privado;
  • Alimentação: uma refeição por dia;
  • Sem passagens de ida e volta.

Um intercâmbio dentro dessas condições pode custar aproximadamente R$40 mil, dependendo da escola de idiomas ou da agência que fará o pacote. 

Quanto custa para fazer intercâmbio no Canadá

Para saber quanto custa para fazer um intercâmbio no Canadá, usamos uma simulação parecida, com as seguintes condições:

  • Curso: geral de inglês;
  • Cidade: Vancouver;
  • Duração: 12 semanas (3 meses);
  • Carga horária das aulas: 16 horas por semana;
  • Acomodação: casa de família (homestay) com quarto privado;
  • Alimentação: duas refeições por dia;
  • Sem passagens de ida e volta.

Um intercâmbio como este no Canadá pode custar aproximadamente R$35 mil.

Quanto custa para fazer intercâmbio em Londres

Agora, se a ideia é fazer um intercâmbio em Londres para estudar inglês britânico ou conhecer a Europa, fizemos a seguinte simulação:

  • Curso: geral de inglês;
  • Cidade: Londres;
  • Duração: 12 semanas (3 meses);
  • Carga horária das aulas: 16 horas por semana;
  • Acomodação: casa de família (homestay) com quarto privado;
  • Alimentação: duas refeições por dia;
  • Sem passagens de ida e volta.

Este intercâmbio pode custar aproximadamente R$33 mil, de acordo com a nossa pesquisa.

Vale mencionar, entretanto, que estes valores são apenas uma referência. É preciso consultar as agências para ter um orçamento detalhado e atualizado.

Pacotes de intercâmbio

Os pacotes de intercâmbio normalmente incluem aulas, matrícula e  material para os casos de intercâmbio estudantil ou acadêmico. Para os intercâmbios de trabalho, geralmente incluem o trâmite de contratação.

Além disso, a maioria também inclui acomodação, alimentação e algumas taxas – como de administração ou aconselhamento. É possível optar por pacotes mais completos ou escolher os mais simples. 

O que deve pautar essa decisão, além do investimento, é o nível de segurança e independência com o qual o intercambista se sente confortável

Por exemplo: para um estudante com menos de 18 anos que nunca viajou sozinho para o estrangeiro, pode ser uma boa ideia contratar pacotes de intercâmbio mais completos, com aconselhamento e formados por grupos de outros estudantes da mesma idade. 

Caso o intercambista seja alguém com mais experiência em viagens internacionais, pacotes de intercâmbio mais enxutos podem ser suficientes. Nesse cenário, é possível economizar com alguns aspectos que ficam de fora do combo – como alimentação. Geralmente, é mais barato comer por conta. 

Como juntar dinheiro para o intercâmbio

Juntar dinheiro para o intercâmbio pode parecer um desafio, mas a organização financeira ajuda a alcançar esse objetivo em menos tempo. 

Acompanhe um passo a passo que pode te auxiliar neste processo. 

1 – Defina seus objetivos

Comece pelo primordial: o planejamento. Antes de qualquer coisa, estude as opções e alinhe seus objetivos com suas possibilidades. 

Isso quer dizer: defina para qual país você quer ir, quando poderá fazer a viagem, quanto tempo poderá ficar fora e procure entender o quanto está disposto a investir para fazer o intercâmbio. 

Depois que tiver uma ideia mais clara de como será o seu pacote ou programa, comece as pesquisas.

2 – Busque orçamentos

Existem várias agências e escolas de idiomas que oferecem pacotes de intercâmbio. Peça orçamentos para ter um comparativo de valores. Não se esqueça de prestar atenção nos detalhes de cada um e suas condições de pagamento. 

Inclusive, vale a pena procurar por descontos para pagamento à vista ou informar-se sobre juros em caso de parcelamento. 

3 – Coloque no papel

Depois das pesquisas, você já saberá o quanto de dinheiro precisa juntar para o intercâmbio – assim, pode começar a se preparar financeiramente. 

Aqui é  uma boa ideia estruturar uma planilha ou um aplicativo com todos os custos do intercâmbio. Isso serve para que você possa visualizar com clareza o quanto você precisa poupar para atingir a meta.

Inclusive, caso você não tenha o hábito de controlar e anotar seus gastos fixos e variáveis mensais, é um bom momento para começar. Este tipo de planilha permite uma melhor estimativa de quanto dinheiro você terá no futuro e o que é possível fazer para melhorar esse quadro.

4 – Reduza gastos

Se seu objetivo é juntar dinheiro para o intercâmbio com um pouco mais de agilidade, certamente é preciso reduzir alguns gastos. 

A dica é verificar tudo aquilo que não é essencial e tentar reduzir essas despesas ou cortá-las por completo. A matemática aqui é bem simples: com menos gastos, sobra mais dinheiro no final do mês.

E o controle que indicamos no tópico anterior desempenha uma função interessantíssima nessa etapa: ele te ajuda a identificar com bastante clareza os gargalos no orçamento e os custos que podem ser evitados.

Nessa fase, também é interessante evitar fazer empréstimos ou usar o cartão de crédito, principalmente para pagamentos parcelados. 

Além disso, uma dica importantíssima é evitar a todo custo o atraso de contas a pagar. Isso porque os juros do cartão estão entre os mais altos do mercado, ficando atrás apenas do cheque especial. Em outras palavras, são despesas que atrasam a missão de juntar dinheiro. Por isso, vale a pena dar atenção a elas.

5 – Aumente seus ganhos

Parece óbvio que aumentar os ganhos é um passo importante no caminho de juntar dinheiro para o intercâmbio, não é mesmo? E nesse ponto você pode estar pensando que fazer isso não é tão simples assim.

De fato, sem uma orientação adequada, aumentar o quanto entra de dinheiro na sua conta pode ser algo difícil mesmo.

Mas, com um pouco de informação, é possível investir e fazer aquele clássico movimento do dinheiro trabalhar por você. Ou seja, o seu próprio dinheiro pode fazer você aumentar seus ganhos.

Para isso acontecer é necessário investir os valores que você está poupando todos os meses em aplicações rentáveis, ao invés de apenas deixá-los parados na conta corrente ou na poupança. 

Afinal, conta corrente e poupança geralmente não rendem de acordo com a inflação. 

E se por acaso você não estiver familiarizado com investimentos ou não quiser arriscar, existem várias opções bastante estáveis e seguras.

Dessa forma, você consegue investir com tranquilidade e acompanhar seu montante crescendo mês a mês. 

Intercâmbio: dicas de investimento para juntar dinheiro

Juntar dinheiro para fazer um intercâmbio é algo tão simples quanto economizar para comprar um iPhone e tão significativo quanto guardar dinheiro para casar.

Ficou interessado em como fazer isso? Então vamos apresentar algumas opções e dicas de investimentos para que seu intercâmbio aconteça o mais rápido possível. Veja! 

Conte com especialistas

Se você tem pouca experiência com investimentos ou se estiver com pouco tempo para buscar as melhores opções, o ideal é conversar com um assessor de investimentos. 

Este profissional irá avaliar o seu caso e indicará os melhores produtos para você aplicar, sempre levando em consideração o seu perfil. Um bom exemplo de assessores experientes é a Blue3 Investimentos, empresa especializada no setor e com diversos profissionais preparados para te aconselhar.

Priorize seu objetivo

Uma dica valiosa para ter sucesso nos seus investimentos e no processo de juntar dinheiro, é adotar a prática do “pague-se primeiro”. 

Ela consiste em priorizar o seu investimento todos os meses. Ao receber sua renda, pague as contas fixas e seu aporte mensal de investimento antes de qualquer coisa. Se você deixar por último, pode acabar gastando. Portanto, considere um compromisso consigo mesmo. 

Escolha bons investimentos

Por fim, um ponto crucial quando você decide investir para fazer intercâmbio é selecionar boas opções. Separamos aqui algumas para que você conheça.

1 – Títulos públicos com liquidez diária

Dentro da categoria de renda fixa, o Tesouro Selic é um bom exemplo de investimento para intercâmbio, por ser um título público com liquidez diária. 

Como é um investimento ligado ao governo federal, independente do momento, o Estado sempre paga seus títulos de dívidas. E a liquidez diária significa que você pode resgatar seus investimentos a qualquer momento.

Além disso, você pode optar também por um Tesouro IPCA +, com a data de vencimento perto da data da viagem. 

Dessa forma, é possível retirar seu investimento com os devidos lucros pouco antes do intercâmbio, pagar todo o pacote e ainda viajar com dinheiro no bolso. 

2 – LCIs e LCAs

Títulos privados também podem ser boas opções de investimento quando o objetivo é juntar dinheiro para o intercâmbio. 

É o caso das Letras de Crédito Imobiliários e das Letras de Crédito do Agronegócio. Com elas, também é possível escolher vencimentos para datas que se aproximem à data do intercâmbio.

O interessante é que são isentas de Imposto de Renda, portanto geram um retorno um pouco maior que outros investimentos em renda fixa. 

E se você não quiser ter surpresas, pode optar pela taxa de juros prefixada. Assim, saberá exatamente quanto seu dinheiro irá render – o que pode variar entre 5% a 7% ao ano. 

Porém, se quiser tentar ter uma rentabilidade maior, pode escolher taxas pós-fixadas ou atreladas à inflação. Entretanto, sempre que investir em LCIS e LCAs, fique atento à liquidez e à carência, que costuma ser de 90 dias. Assim, você se organiza para realizar o resgate a tempo da viagem.

3 – Renda variável 

Outra opção é investir em renda variável, como fundos de investimento, ações, câmbio e derivativos. 

Eles trazem a possibilidade de rendimentos superiores. Porém, são mais indicados para quem tem o perfil de investidor arrojado ou para pessoas com experiência no mercado financeiro. 

E se você não tem experiência, mas tem interesse em renda variável, não desanime. 

Aqui a dica é conversar com seu assessor antes de aplicar. Isso porque para metas a curto prazo a renda variável pode ser muito volátil, mas ao mesmo tempo trazer oportunidades interessantíssimas de rendimento. O assessor de investimentos saberá direcionar. 

Investir para um intercâmbio não é complicado e pode concretizar o seu sonho antes do que você imagina! 

Written By
Redação It's Money

A redação do portal It’s Money é formada por um time de profissionais com ampla experiência editorial, com acompanhamento e revisão de jornalistas especializados.