Análises Morning Call

Na Polônia, um gato escaldado

Na Polônia, um gato escaldado
  • Publicado em 16 de novembro de 2022

Morning-Call_16_11_Its_Money

Macro

O mercado começa o dia com um certo alívio à medida que fica mais claro o incidente ocorrido na Polônia, onde o foguete atingiu um pequeno vilarejo.

Fontes de inteligência dos EUA estão descartando a possibilidade do envolvimento da Rússia diretamente no incidente.

Ontem foi um dia de tensão com a possibilidade de mais uma escalada no conflito que começou em fevereiro desse ano.

Aqui no Brasil, os juros voltam a subir com o mercado de olho nos valores da chamada PEC de Transição.

O Presidente eleito, Lula, quer os gastos com bolsa família fora do teto de gastos por pelo menos 4 anos.

Ainda hoje deveremos ter uma sinalização pela equipe de transição sobre o valor acima do teto proposto.

Com os recentes stress fiscal que o país tem passado, os títulos do Tesouro Direto voltam a pagar taxas prefixadas acima de 13% ao ano e acima de 6% de juro real nos títulos indexados ao IPCA.

Mercado Interno

Na agenda de balanços corporativos, a Banrisul foi mais um banco a frustrar as expectativas de analistas com o lucro líquido de BRL 71,9 milhões versus BRL 216 milhões das estimativas.

Semanas atrás, o Bradesco surpreendeu o mercado também com um balaço decepcionante.

Morning_Call_16_11_Mercado_Interno_Its_Money

Análise Técnica

O Ibovespa no pregão de segunda-feira apresentou uma alta de 0,81% sendo o segundo dia consecutivo de alta.

Apesar da alta, o ativo não conseguiu superar níveis importantes, e permaneceu abaixo de níveis relevantes de preço e das médias móveis.

Dessa forma, o Ibovespa se encontra em uma região de preço importante, como comentado, aos 113.000 pontos, em que a perda dos 111.925 pontos indica que o ativo pode continuar o movimento de queda voltando a ser negociado nos 109.775 pontos.

Portanto, caso isso ocorra, a expectativa é de baixa no curto prazo (gráfico diário).

Para a retomada de um viés mais positivo, o ativo deve superar os 114.325 pontos, ficando acima de região de preço importante e das médias móveis.

Mercado Externo

No exterior, as bolsas apresentavam dia relativamente bom, avançando à medida que algumas indefinições caíam, como o resultado das eleições de mid-term nos EUA.

No início da semana a China trouxe bastante alívio aos mercados ao apontar as medidas de estímulo ao mercado imobiliário local, que no início do ano assombrou os mercados, inclusive com o episódio da incorporadora Evergrande, que teve dificuldades em se manter solvente.

Morning_Call_16_11_Mercado_Externo_Its_Money

Análise Técnica

O S&P500 terminou o pregão dessa terça-feira, lembrando que por lá houve pregão normalmente, com uma leve alta de 0,50% aos 3.998 pontos.

O ativo está fazendo um movimento mais lateral nos últimos três pregões, ou seja, não conseguiu superar ou perder patamares importantes.

Dessa forma, para que haja uma retomada da expectativa positiva, é importante o ativo superar e se manter acima dos 4.010 pontos onde aumentaria a probabilidade de voltar a ser negociado nos 4.118 pontos.

Já a perda dos 3.944 pontos indica que o ativo pode passar por um processo de correção no curto prazo, ou até mesmo continuar essa correção de maneira lateral.

Commodities

As commodities continuam reagindo bem as medidas de estímulo do mercado imobiliário chinês com o minério de ferro subindo pelo quarto dia consecutivo com melhoras na perspectiva de demanda por lá.

O petróleo tem operado de lado e o mercado fica de olho nos níveis de estoque nos EUA, que podem estar nos menores patamares em 3 meses.

Análise Técnica

Após forte queda na segunda-feira, o petróleo fechou essa terça com uma alta de 1,41% aos USD 93,09/barril.

O ativo de encontra em uma região mais travada de preço entre os 89,58 e 97,71.

Dessa forma, o ativo retoma uma expectativa mais positiva, falando de tendência, se voltar a ser negociado acima dos USD 97,71/barril.

Já a perda dos USD 91,80/barril aumenta a probabilidade de o ativo entrar em um novo movimento de baixa.

Analistas responsáveis

Dalton Vieira – Analista CNPI-T

  • + 15 anos de experiência no mercado financeiro;
  • Analista de valores mobiliários (CNPI-TEM 910);
  • Credenciado pela Apimec desde 2010;
    Desenvolvedor do método DV de investimentos.

Leonardo Gibelli – Analista CNPI-T

  • Analista CNPI-T;
  • Analista CNPI-T EM-3376 credenciado pela Apimec;
  • Formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Erik Sala – Especialista Em FIIs E Renda Fixa

Graduando em Economia pela UFG e especialista em Fundos Imobiliários. Assistente de análise responsável pela carteira DV Renda Imobiliária.

Disclaimer

De acordo com a Resolução CVM nº 20, de 25 de fevereiro de 2021, Art. 21º, declaro que as análises realizadas neste relatório refletem única e exclusivamente a opinião dos autores, e foram elaboradas de forma independente e autônoma.

De acordo com o art. 21 da ICVM 598/18, caso o Analista esteja em situação que possa afetar a imparcialidade do relatório ou que configure ou possa configurar conflito de interesse, este fato deverá estar explicitado no campo “Conflitos de Interesse” deste relatório.

As informações, estimativas e projeções contidas neste relatório referem-se à data de publicação e estão sujeitas a mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal alteração.

As plataformas usadas para realização deste relatório são Bloomberg e Profit (Nelogica), além de portais de notícias nacionais e internacionais devidamente identificados quando utilizados.

 

Written By
DVinvest

A DVinvest é a casa de análise fundada pelo renomado analista Dalton Vieira, que possui em sua equipe profissionais altamente especializados em análise fundamentalista e técnica de ações.