IPCA desacelera para 0,61% em abril, diz IBGE

economia

IPCA desacelera para 0,61% em abril, diz IBGE

12 mai 2023

Redação It's MoneyRedação It's Money
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do País, voltou a desacelerar, para 0,61% em abril, após subir 0,71% em março e 0,84% em fevereiro, informou nesta sexta-feira (12) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em abril de 2022, a inflação no mês foi de 1,06%.O resultado veio acima da projeção da Gestora Oby Capital (0,54%) e dos 0,55% esperados pelo mercado.Em 12 meses, inflação foi de 4,18% contra 4,65% em março. O índice de difusão registrou alta e marcou 66% contra 60% no último mês.A surpresa se concentrou nos itens de Alimentação no Domicílio com destaque para Leite Longa Vida (4,96% | 4bps de contribuição), Tomate (10% | 2,8bps).O mês também foi marcado pela vinda dos reajustes em medicamentos (3,55% | 11 bps). Apesar disso, os Bens Industrializados seguem em trajetória favorável de desinflação tanto na margem, como no acumulado (5,94% em 12M contra 14,16% no pico em abril de 2022)."Apesar da surpresa positiva em março, o número de abril reforça nossa posição da divulgação anterior de que o processo de desinflação ainda precisa ganhar força e repercutir nas expectativas para que então vejamos uma mudança de postura do BC - e consequentemente, corte de juros", informou a Oby por meio de nota.
PeríodoTAXA
Abril de 20230,61%
Março de 20230,71%
Abril de 20221,06%
Acumulado do ano2,72%
Acumulado nos últimos 12 meses4,18%
Todos os nove grupos de produtos e serviços pesquisados apresentaram alta em abril, sendo o maior impacto (0,19 p.p.) e a maior variação (1,49%) em Saúde e cuidados pessoais. Na sequência, vieram Alimentação e bebidas (0,71%) e Transportes (0,56%), contribuindo com 0,15 p.p. e 0,12 p.p, respectivamente. Os demais grupos ficaram entre o 0,08% de Comunicação e o 0,79% de Vestuário.
GrupoVariação (%)Impacto (p.p.)
MarçoAbrilMarçoAbril
Índice Geral0,710,610,710,61
Alimentação e bebidas0,050,710,010,15
Habitação0,570,480,090,07
Artigos de residência-0,270,17-0,010,01
Vestuário0,310,790,010,04
Transportes2,110,560,430,12
Saúde e cuidados pessoais0,821,490,110,19
Despesas pessoais0,380,180,040,02
Educação0,100,090,010,01
Comunicação0,500,080,020,00
Em Saúde e cuidados pessoais (1,49%), a maior contribuição (0,12 p.p.) veio dos produtos farmacêuticos (3,55%), após a autorização do reajuste de até 5,60% no preço dos medicamentos, a partir de 31 de março. O item plano de saúde (1,20%) incorporou as frações mensais dos reajustes dos planos novos e antigos para o ciclo de 2022 a 2023. Além disso, os itens de higiene pessoal tiveram desaceleração de 0,76% em março para 0,56% no IPCA de abril, influenciados, principalmente, pelos perfumes (-1,09%).A aceleração observada no grupo Alimentação e bebidas (de 0,05% para 0,71%) foi influenciada pela alimentação no domicílio, que passou de -0,14% em março para 0,73% em abril. Houve alta nos preços do tomate (10,64%), do leite longa vida (4,96%) e do queijo (1,97%). No lado das quedas, os destaques foram a cebola (-7,01%) e o óleo de soja (-4,44%).A alimentação fora do domicílio variou 0,66%, acima do registrado no mês anterior (0,60%). Enquanto o lanche desacelerou de 1,09% para 0,93%, a refeição (0,51%) ficou com resultado acima do registrado em março (0,41%).Nos Transportes (2,11% em março para 0,56% em abril), a desaceleração foi influenciada pela queda dos combustíveis (-0,44%), que haviam subido 7,01% em março. Óleo diesel(-2,25%), gás veicular (-0,83%) e gasolina (-0,52%) recuaram em abril, enquanto o etanol subiu 0,92%. Já as passagens aéreas subiram 11,97% em abril, após caírem 5,32% em março.Ainda em Transportes, as tarifas de metrô (1,24%) sofreram reajuste de 6,15% no Rio de Janeiro (3,54%), a partir do dia 12 de abril. A alta de 1,11% em ônibus urbano deve-se aos reajustes de 15,75% em Fortaleza (9,16%), a partir de 19 de março, e de 33,33% em Belo Horizonte (6,67%), a partir de 23 de abril. Em ônibus intermunicipal (-0,25%), houve reajuste médio de 5,77% em Campo Grande (5,58%), a partir de 1º de abril.No grupo Habitação (0,48%), a maior contribuição (0,02 p.p.) veio da energia elétrica residencial (0,48%), devido a reajustes aplicados em quatro áreas de abrangência do índice: em Campo Grande (6,11%), reajuste de 9,80%, a partir de 8 de abril; no Rio de Janeiro (5,23%), com reajustes de 7,49% e 6,00% nas duas concessionárias pesquisadas, a partir de 15 de março; em Salvador (1,19%), com reajuste de 8,28%, a partir de 22 de abril; e em Fortaleza (-1,39%), com reajuste de 4,85%, a partir de 22 de abril.A alta de 0,33% na taxa de água e esgoto decorre dos reajustes de 7,02% em Goiânia (6,55%), a partir de 1º de abril, e de 11,20% em Recife (0,38%), a partir de 28 de abril. A variação de gás encanado (0,22%) decorre da apropriação residual do reajuste tarifário e da mudança na forma de cobrança em Curitiba (1,49%), a partir de 1º de fevereiro, e que não havia sido incorporada no IPCA de março.No que concerne aos índices regionais, todas as áreas tiveram alta em abril. A maior variação foi em Campo Grande (0,89%), em função da energia elétrica residencial (6,11%). Já a menor variação foi registrada em Recife (0,16%), influenciada pelas quedas de 3,41% da gasolina e de 2,51% de conserto de automóvel.
RegiãoPeso Regional (%)Variação (%)Variação Acumulada (%)
MarçoAbrilAno12 meses
Campo Grande1,570,680,892,753,21
Rio de Janeiro9,430,640,852,604,14
Goiânia4,171,020,772,913,04
São Paulo32,280,580,672,885,20
Rio Branco0,510,540,642,313,88
Belo Horizonte9,690,390,602,652,85
Curitiba8,091,030,572,662,83
Fortaleza3,230,350,562,534,03
Belém3,940,840,562,693,86
Brasília4,061,110,562,504,62
São Luís1,620,730,531,922,94
Salvador5,990,440,502,875,18
Porto Alegre8,611,250,492,753,71
Aracaju1,030,700,392,633,59
Vitória1,860,840,313,034,23
Recife3,920,620,161,813,48
Brasil100,000,710,612,724,18
Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 30 de março a 28 de abril de 2023 (referência) com os preços vigentes no período de 1º de março a 29 de março de 2023 (base). O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários-mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.INPC tem alta de 0,53% em abrilÍndice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC teve alta de 0,53% em abril, abaixo do registrado no mês anterior (0,64%). No ano, o INPC acumula alta de 2,42% e, nos últimos 12 meses, de 3,83%, abaixo dos 4,36% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em abril de 2022, a taxa foi de 1,04%.Os produtos alimentícios registraram alta de 0,61% em abril, após queda de 0,07% em março. Nos produtos não alimentícios, foi registrada alta de 0,50%, desacelerando em relação ao resultado de 0,87% observado em março.Quanto aos índices regionais, todas as áreas tiveram variação positiva em abril. O menor resultado foi em Recife (0,07%), onde pesaram as quedas nos preços da gasolina (-3,41%) e do conserto de automóvel (-2,51%). A maior variação, por sua vez, ocorreu em Campo Grande (0,95%), puxada pela alta de 5,98% da energia elétrica.
RegiãoPeso Regional (%)Variação (%)Variação Acumulada (%)
MarçoAbrilAno12 meses
Campo Grande1,730,720,952,832,81
Rio de Janeiro9,380,560,852,303,57
Goiânia4,430,750,832,633,57
Fortaleza5,160,390,692,634,38
Belo Horizonte10,350,260,592,472,56
Rio Branco0,720,800,552,383,15
São Paulo24,600,480,542,394,99
Belém6,950,910,542,773,94
São Luís3,470,720,541,903,48
Curitiba7,371,060,512,622,00
Brasília1,971,100,462,193,43
Salvador7,920,340,372,505,11
Aracaju1,290,700,292,323,66
Porto Alegre7,151,370,262,633,00
Vitória1,910,730,162,633,37
Recife5,600,560,071,523,47
Brasil100,000,640,532,423,83
Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 30 de março a 28 de abril de 2023 (referência) com os preços vigentes no período de 1º de março a 29 de março de 2023 (base). O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 05 salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.Fonte: IBGE
Redação It's Money

Redação It's Money

A redação do portal It’s Money é formada por um time de profissionais com ampla experiência editorial, com acompanhamento e revisão de jornalistas especializados.

Saber mais

Gostou do conteúdo?

Queremos sempre melhorar a experiência a sua experiência. Se puder, dê uma forcinha para o time de redação e conte o que você achou da edição de hoje.

O que achou deste conteúdo?

  • Ruim
  • Ótimo
As melhores análises do mercado

Receba em primeira mão as melhores análises do mercado financeiro diretamente em sua caixa de entrada. Nossa newsletter oferece insights exclusivos, tendências e perspectivas sobre o mercado.

Deixe-me ler primeiro uma amostra