Economia Notícias

Volume de Serviços cai 0,6% em outubro, aponta IBGE

Volume de Serviços cai 0,6% em outubro, aponta IBGE
  • Publicado em 13 de dezembro de 2022

O volume de serviços no Brasil recuou 0,6% em outubro frente ao mês anterior, na série com ajuste sazonal, após ter acumulado um ganho de 5,8% de março a setembro. O setor de serviços encontra-se 10,5% acima do nível de fevereiro de 2020 (pré-pandemia).

As informações foram divulgadas nesta terça-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Período Variação (%)
Volume Receita Nominal
Outubro 22 / Setembro 22* -0,6 0,2
Outubro 22 / Outubro 21 9,5 15,3
Acumulado Janeiro-Outubro 8,7 16,4
Acumulado nos Últimos 12 Meses 9,0 16,3
*série com ajuste sazonal  

Na série sem ajuste sazonal, ante igual mês de 2021, o volume de serviços teve sua 20ª taxa positiva consecutiva (9,5%). O acumulado do ano foi de 8,7% frente a igual período de 2021. O acumulado em 12 meses passou de 8,8% em setembro para 9,0% em outubro.

Ao recuar 0,6% em outubro de 2022, ante setembro, o volume de serviços interrompe uma sequência de cinco resultados positivos. Vale destacar que, em setembro último, o setor de serviços havia alcançado o novo recorde da série histórica, superando o nível de novembro de 2014.

A despeito do revés observado neste mês, o volume de serviços ainda se encontra 10,5% acima do nível de fevereiro de 2020, marco do patamar pré-pandemia.

O recuo de 0,6% do volume de serviços de setembro para outubro de 2022 foi acompanhado por três das cinco atividades investigadas. O destaque foi o setor de transportes (-1,8%), com taxas negativas em todos os segmentos investigados, seja por modal: terrestre (-1,0%), aquaviário (-0,6%), aéreo (-10,1%) e armazenagem e correio (-1,2%) ou por tipo de uso: passageiros (-5,5%) e cargas (-2,0%).

As demais retrações do mês vieram dos serviços profissionais, administrativos e complementares (-0,8%) e dos prestados às famílias (-1,5%), com o primeiro sendo impactado pelos serviços técnico-profissionais (-3,7%) e o segundo interrompendo sequência de sete taxas positivas, período em que acumulou ganho de 10,8%.

Em sentido oposto, informação e comunicação (0,7%) e outros serviços (2,6%) exerceram as contribuições positivas do mês, com o primeiro setor acumulando um ganho de 4,7% entre julho e outubro e o segundo recuperando boa parte do recuo de 3,1% verificado em setembro.

média móvel trimestral foi de 0,4% no trimestre encerrado em outubro de 2022 frente ao nível do mês anterior, mantendo o comportamento predominantemente positivo desde julho de 2020.

Em outubro de 2022, o volume de serviços aumentou 9,5% frente a outubro de 2021, décima nona taxa positiva seguida. Houve expansão em todas as cinco atividades e crescimento em 67,5% dos 166 tipos de serviços investigados. Entre os setores, o de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (12,0%) exerceu a principal contribuição positiva sobre o volume total de serviços. Os demais avanços vieram de informação e comunicação (8,3%); dos profissionais, administrativos e complementares (8,3%); dos prestados às famílias (10,7%) e de outros serviços (6,5%).

acumulado do ano, frente a igual período de 2021, subiu 8,7%, com taxas positivas em quatros das cinco atividades e em 66,3% dos 166 tipos de serviços investigados. Entre os setores, a contribuição positiva mais importante veio de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (13,9%), impulsionado pelo aumento das receitas das empresas de transporte rodoviário de cargas; transporte aéreo de passageiros; rodoviário coletivo de passageiros; gestão de portos e terminais; e navegação de apoio marítimo e portuário. Os demais avanços vieram de serviços prestados às famílias (27,9%); profissionais, administrativos e complementares (7,8%); e informação e comunicação (3,7%).

Pesquisa Mensal de Serviços  –  Volume de Serviços, segundo as atividades de divulgação  –  Outubro 2022 – Variação (%)
Atividades de Divulgação Mês/Mês anterior (1) Mensal (2) Acumulado no ano (3) Últimos 12 meses (4)
AGO SET OUT AGO SET OUT JAN-AGO JAN-SET JAN-OUT Até AGO Até SET Até OUT
Volume de Serviços – Brasil 1,2 0,5 -0,6 8,7 9,4 9,5 8,5 8,6 8,7 9,0 8,8 9,0
1. Serviços prestados às famílias 0,9 0,8 -1,5 21,8 18,0 10,7 32,2 30,3 27,9 29,5 28,2 26,7
1.1 Serviços de alojamento e alimentação 1,4 0,0 -1,9 22,7 17,3 9,8 33,5 31,4 28,7 30,9 29,1 27,4
1.2 Outros serviços prestados às famílias -3,9 4,3 -1,0 16,9 22,1 16,5 24,8 24,4 23,5 22,0 23,0 23,1
2. Serviços de informação e comunicação 0,9 1,8 0,7 3,1 6,0 8,3 2,9 3,2 3,7 5,1 4,8 4,9
2.1 Serviços de tecnologia da informação e comunicação (TIC) 2,2 1,5 0,8 3,7 6,8 10,0 2,8 3,3 3,9 5,0 4,8 5,1
2.1.1 Telecomunicações 1,8 1,7 -2,5 -6,7 -3,6 -4,9 -7,3 -6,9 -6,7 -5,4 -5,7 -5,9
2.1.2 Serviços de tecnologia da informação 1,4 2,5 6,8 17,3 19,9 28,7 16,8 17,2 18,4 19,7 19,3 20,1
2.2 Serviços audiovisuais -2,5 1,1 -3,4 -2,3 -0,8 -4,3 3,2 2,7 1,9 5,8 4,5 3,2
3. Serviços profissionais, administrativos e complementares 0,2 0,7 -0,8 7,6 7,7 8,3 7,7 7,7 7,8 7,5 7,3 7,6
3.1 Serviços técnico-profissionais 1,5 2,9 -3,7 9,1 9,9 8,3 6,9 7,3 7,4 7,7 7,2 7,4
3.2 Serviços administrativos e complementares -0,4 -0,3 0,3 7,0 6,8 8,3 8,1 7,9 7,9 7,4 7,4 7,7
4. Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio 0,9 -0,3 -1,8 15,3 15,0 12,0 14,0 14,1 13,9 13,8 13,9 14,0
4.1 Transporte terrestre 1,0 -0,7 -1,0 24,5 22,0 18,2 18,8 19,2 19,1 16,7 17,6 18,4
4.2 Transporte aquaviário 0,8 -3,2 -0,6 16,4 12,2 9,0 12,6 12,6 12,2 14,0 13,9 13,3
4.3 Transporte aéreo 0,3 2,4 -10,1 8,7 21,8 8,8 40,0 37,7 34,7 40,1 38,2 36,5
4.4 Armazenagem, serviços auxiliares aos transportes e correio 0,7 1,3 -1,2 3,2 3,8 3,7 2,0 2,2 2,4 4,3 3,5 3,2
5. Outros serviços 6,9 -3,1 2,6 -2,3 -2,2 6,5 -5,0 -4,7 -3,6 -4,6 -4,6 -3,7
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Estatísticas Conjunturais em Empresas
(1) Base: mês imediatamente anterior – com ajuste sazonal;
(2) Base: igual mês do ano anterior;
(3) Base: igual período do ano anterior;
(4) Base: 12 meses anteriores.    

Nos serviços prestados às famílias houve aumento na receita das empresas de restaurantes; hotéis; serviços de bufê; e atividades de condicionamento físico. Em serviços profissionais, administrativos e complementares, a alta veio de locação de automóveis; serviços de engenharia; soluções de pagamentos eletrônicos; consultoria em gestão empresarial; atividades de cobranças e informações cadastrais; gestão de ativos intangíveis; e organização, promoção e gestão de feiras, congressos e convenções.

No setor de informação e comunicação, o aumento de receitas ocorreu em portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na Internet; desenvolvimento e licenciamento de softwares; tratamentos de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de hospedagem na Internet; consultoria em tecnologia da informação; outras atividades de telecomunicação; e desenvolvimento de programas de computador sob encomenda.

Em sentido oposto, o setor de outros serviços (-3,6%) registrou a única taxa negativa do indicador acumulado no ano, pressionado pela menor receita real das empresas de recuperação de materiais plásticos; corretoras de títulos e valores mobiliários; administração de fundos por contrato ou comissão; e administração de bolsas e mercados de balcão organizados.

Serviços caíram em 22 das 27 Unidades da Federação

Houve recuos em 22 das 27 unidades da federação, frente ao mês anterior, acompanhando o revés de 0,6% no Brasil. Os impactos mais importantes vieram de Rio de Janeiro (-1,0%), Pernambuco (-5,3%), Rio Grande do Sul (-1,9%) e Santa Catarina (-2,5%). Já São Paulo (0,8%) exerceu a principal contribuição positiva no mês, seguido por Mato Grosso (5,0%).

Frente a outubro de 2021, o avanço do volume de serviços no Brasil (9,5%) foi acompanhado por 24 das 27 unidades da federação. As principais contribuições positivas vieram de São Paulo (12,7%), Minas Gerais (12,4%), Rio de Janeiro (4,4%), Mato Grosso (35,8%), Rio Grande do Sul (7,5%) e Santa Catarina (6,9%). Os resultados negativos vieram de Mato Grosso do Sul (-6,3%), Distrito Federal (0,9%) e Ceará (-1,5%).

No acumulado do ano, frente a igual período de 2021, houve altas em 26 das 27 unidades da federação. Os principais impactos positivos vieram de São Paulo (10,6%), Minas Gerais (11,3%), Rio Grande do Sul (11,8%), Rio de Janeiro (2,9%), Pernambuco (12,1%), Paraná (4,4%) e Bahia (7,9%). A única influência negativa veio do Distrito Federal (-1,5%).

Índice de atividades turísticas tem queda de 2,8% em outubro

Em outubro de 2022, o índice de atividades turísticas caiu 2,8% frente ao mês imediatamente anterior, eliminando, assim, boa parte do ganho verificado no período julho-setembro (3,0%). Com isso, o segmento de turismo se encontra 2,5% abaixo do patamar de fevereiro de 2020 (pré-pandemia) e 9,6% abaixo do ponto mais alto da série, alcançado em fevereiro de 2014.

Oito das 12 localidades pesquisadas acompanharam a queda verificada na atividade turística nacional (-2,8%). A influência negativa mais relevante ficou com São Paulo (-3,6%), seguido por Rio de Janeiro (-3,4%), Distrito Federal (-7,8%), Rio Grande do Sul (-3,6%) e Paraná
(-3,2%). Já Minas Gerais assinalou o principal avanço regional.

Frente a outubro de 2021, o volume de atividades turísticas no Brasil subiu 16,1%, 19ª taxa positiva seguida, impulsionado pelo aumento na receita de empresas de locação de automóveis; restaurantes; transporte aéreo; serviços de bufê; rodoviário coletivo de passageiros e hotéis.

Todas as 12 unidades da federação onde o indicador é investigado mostraram avanço nos serviços voltados ao turismo, com destaque para São Paulo (23,5%), seguido por Minas Gerais (32,0%), Bahia (11,6%), Santa Catarina (19,6%), Paraná (14,4%) e Rio de Janeiro (4,7%).

No acumulado do ano, o agregado especial de atividades turísticas cresceu 34,5% frente a igual período do ano passado, impulsionado, sobretudo, pelo aumento de receita nas empresas dos ramos de transporte aérea de passageiros; restaurantes; hotéis; locação de automóveis; transporte rodoviário coletivo de passageiros; e serviços de bufê.

Houve altas nos doze locais investigados, com destaque para São Paulo (41,9%), seguido por Minas Gerais (55,3%), Rio de Janeiro (17,6%), Rio Grande do Sul (43,3%) e Bahia (28,7%).

Transportes de passageiros (-5,5%) e de cargas (-2,0%) apresentam queda

Em outubro de 2022, o volume de transporte de passageiros no Brasil registrou retração de 5,5% frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, após ter avançado 1,5% em setembro. O segmento encontra-se 4,8% abaixo do nível de fevereiro de 2020 (pré-pandemia) e 25,9% abaixo de fevereiro de 2014 (ponto mais alto da série histórica).

Por sua vez, o volume do transporte de cargas apontou queda de 2,0% em outubro de 2022, segundo resultado negativo seguido. Dessa forma, o segmento situa-se 3,6% abaixo do ponto mais alto de sua série, alcançado em agosto de 2022. Com relação ao nível pré-pandemia, o transporte de cargas está 29,0% acima de fevereiro de 2020.

Na comparação com outubro de 2021, o transporte de passageiros teve a 19ª taxa positiva seguida ao avançar 16,4% em outubro de 2022, ao passo que o transporte de cargas, no mesmo tipo de confronto, cresceu 15,8%, seu vigésimo sexto resultado positivo consecutivo.

No acumulado do ano, o transporte de passageiros mostrou expansão de 33,5% frente a igual período de 2021, enquanto o de cargas avançou 15,3%.

Fonte: IBGE

Written By
Redação It's Money

A redação do portal It’s Money é formada por um time de profissionais com ampla experiência editorial, com acompanhamento e revisão de jornalistas especializados.