Economia Notícias

Volume de serviços cresce 3,1% em dezembro e fecha 2022 com alta de 8,3%, diz IBGE

Volume de serviços cresce 3,1% em dezembro e fecha 2022 com alta de 8,3%, diz IBGE
  • Publicado em 10 de fevereiro de 2023

O volume de serviços no Brasil cresceu 3,1% em dezembro de 2022 frente a novembro, na série com ajuste sazonal. Com isso, o setor de serviços ficou 14,4% acima do nível de fevereiro de 2020 e alcançou patamar recorde na série histórica, iniciada em 2011.

As informações foram divulgadas nesta sexta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Período Variação (%)
Volume Receita Nominal
Dezembro 22 / Novembro 22* 3,1 2,1
Dezembro 22 / Dezembro 21 6,0 11,7
Acumulado Janeiro-Dezembro 8,3 15,5
Acumulado nos Últimos 12 Meses 8,3 15,5
*série com ajuste sazonal 

Frente a dezembro de 2021, o setor teve sua 22ª taxa positiva consecutiva, avançando 6,0%. O volume de serviços acumulou alta de 8,3% em 2022. O acumulado em 12 meses desacelerou, indo de 8,7% em novembro para 8,3% em dezembro de 2022, menor resultado desde outubro de 2021 (8,1%).

Pesquisa Mensal de Serviços  –  Volume de Serviços, segundo as atividades de divulgação  –  Dezembro 2022 – Variação (%)
Atividades de Divulgação Mês/Mês anterior (1) Mensal (2) Acumulado no ano (3) Últimos 12 meses (4)
OUT NOV DEZ OUT NOV DEZ JAN-OUT JAN-NOV JAN-DEZ Até OUT Até NOV Até DEZ
Volume de Serviços – Brasil -0,7 -0,4 3,1 9,7 6,5 6,0 8,7 8,5 8,3 9,0 8,7 8,3
1. Serviços prestados às famílias -1,2 -0,6 2,4 11,4 7,8 9,2 28,0 25,8 24,0 26,8 25,4 24,0
1.1 Serviços de alojamento e alimentação -1,6 -0,5 2,7 10,5 6,6 8,8 28,8 26,3 24,4 27,4 25,9 24,4
1.2 Outros serviços prestados às famílias -0,7 0,8 0,8 17,0 15,1 12,0 23,6 22,7 21,6 23,1 22,6 21,6
2. Serviços de informação e comunicação 1,2 -0,8 -2,2 8,4 3,4 0,0 3,7 3,7 3,3 4,9 4,3 3,3
2.1 Serviços de tecnologia da informação e comunicação (TIC) 1,4 -1,0 -3,4 10,0 3,3 -0,3 4,0 3,9 3,5 5,1 4,5 3,5
2.1.1 Telecomunicações -2,8 -0,7 -0,7 -4,9 -6,4 -6,6 -6,7 -6,7 -6,7 -5,9 -6,3 -6,7
2.1.2 Serviços de tecnologia da informação 7,5 -4,7 -7,9 28,8 14,0 5,7 18,4 18,0 16,6 20,1 18,7 16,6
2.2 Serviços audiovisuais -3,4 8,1 -0,9 -4,4 4,6 1,7 1,9 2,2 2,2 3,2 2,9 2,2
3. Serviços profissionais, administrativos e complementares -0,3 0,6 3,0 8,3 7,1 7,4 7,8 7,7 7,7 7,6 7,8 7,7
3.1 Serviços técnico-profissionais -3,6 0,3 2,6 8,5 7,4 7,9 7,4 7,4 7,5 7,4 7,8 7,5
3.2 Serviços administrativos e complementares 0,6 0,7 2,7 8,2 7,0 7,3 7,9 7,8 7,8 7,7 7,8 7,8
4. Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio -1,5 0,7 2,5 12,3 10,6 10,2 13,9 13,6 13,3 14,0 13,8 13,3
4.1 Transporte terrestre -1,1 -0,4 3,3 18,5 15,7 15,2 19,1 18,8 18,5 18,4 18,6 18,5
4.2 Transporte aquaviário -0,4 4,1 -2,3 9,2 14,2 6,6 12,2 12,4 11,9 13,3 13,1 11,9
4.3 Transporte aéreo -9,8 3,3 7,6 8,8 3,8 4,4 34,7 31,5 28,6 36,5 33,3 28,6
4.4 Armazenagem, serviços auxiliares aos transportes e correio -0,8 0,3 0,8 4,2 3,4 4,8 2,4 2,5 2,7 3,2 2,7 2,7
5. Outros serviços 3,1 -3,3 10,3 6,4 0,3 10,1 -3,6 -3,3 -2,1 -3,7 -3,4 -2,1
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Estatísticas Conjunturais em Empresas.  (1) Base: mês imediatamente anterior – com ajuste sazonal; (2) Base: igual mês do ano anterior; (3) Base: igual período do ano anterior; (4) Base: 12 meses anteriores.

O avanço de 3,1% do volume de serviços, de novembro para dezembro de 2022, foi acompanhado por quatro das cinco atividades investigadas, com destaque para transportes (2,5%), seguido dos outros serviços (10,3%). O primeiro acumula o segundo resultado positivo seguido (3,1%) enquanto o segundo elimina a perda registrada em novembro (-3,3%).

Os demais avanços vieram dos serviços profissionais administrativos e complementares (3,0%) e dos serviços prestados às famílias (2,4%), com o primeiro registrando o segundo resultado positivo seguido, com ganho acumulado de 3,6%; e o último eliminando as perdas acumuladas no período de outubro-novembro (-1,8%).

No campo negativo, serviços de informação e comunicação caem pelo segundo mês consecutivo (-2,2%), acumulando perda de -2,9% no período, após sequência de quatro taxas positivas (entre julho e outubro), período em que havia acumulado um ganho de 5,1%.

média móvel trimestral cresceu (0,7%) no trimestre encerrado em dezembro de 2022 frente ao nível do mês anterior. Entre os setores, houve predominância de taxas positivas, com quatro das cinco atividades avançando: outros serviços (3,3%); profissionais, administrativos e complementares (1,1%); transportes (0,5%) e os serviços prestados às famílias (0,2%). Por outro lado, informação e comunicação (-0,6%) mostrou a única retração neste mês.

Na comparação com dezembro de 2021, o volume de serviços avançou 6,0%, marcando a 22ª taxa positiva seguida, com expansão quatro das cinco atividades e estabilidade em uma. Houve ainda crescimento em 57,8% dos 166 tipos de serviços investigados.

Entre os setores, o de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (10,2%) exerceu a principal contribuição positiva sobre o volume total de serviços. Os demais avanços vieram dos serviços profissionais, administrativos e complementares (7,4%); dos outros serviços (10,1%) e dos serviços prestados às famílias (9,2%). Serviços de informação e comunicação apresentaram variação nula (0,0%) no índice.

No acumulado de janeiro a dezembro de 2022, frente a igual período do ano anterior, o setor de serviços cresceu 8,3%, com quatro das cinco atividades de divulgação apontando taxas positivas e crescimento em 62,7% dos 166 tipos de serviços investigados.

A contribuição positiva mais importante ficou com o ramo de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (13,3%). Os demais avanços vieram de serviços profissionais, administrativos e complementares (7,7%); de prestados às famílias (24,0%); e de informação e comunicação (3,3%).

Em sentido oposto, o setor de outros serviços (-2,1%) registrou a única taxa negativa do indicador acumulado no ano.

Serviços crescem em 22 das 27 unidades da federação em dezembro

Frente a novembro, houve altas em 22 das 27 unidades da federação, acompanhando o avanço (3,1%) observado no Brasil. O impacto mais importante veio do Rio de Janeiro (5,0%), seguido por São Paulo (0,8%), Minas Gerais (4,6%) e Distrito Federal (13,4%).

Em contrapartida, Espírito Santo (-4,4%) exerceu a principal contribuição negativa do mês, seguido por Piauí (-4,0%), Acre (-3,8%), Rondônia (-1,3%) e Amapá (-0,2%).

Frente a dezembro de 2021, o avanço do volume de serviços no Brasil (6,0%) foi acompanhado por 22 das 27 UFs. A principal contribuição positiva ficou com São Paulo (3,7%), seguido por Rio de Janeiro (11,8%), Minas Gerais (11,0%), Rio Grande do Sul (8,2%), Mato Grosso (21,7%) e Paraná (4,2%).

Em sentido oposto, Mato Grosso do Sul (-1,6%), Rio Grande do Norte (-1,1%), Acre (-5,3%), Piauí (-0,7%) e Rondônia (-0,4%) assinalaram os únicos resultados negativos do mês.

No acumulado do ano, a alta no volume de serviços no Brasil (8,3%) se deu em 26 UFs. O principal impacto positivo foi em São Paulo (9,7%), seguido por Minas Gerais (11,2%), Rio de Janeiro (4,0%), Rio Grande do Sul (11,3%), Pernambuco (11,2%), Paraná (4,4%) e Mato Grosso (13,8%). Apenas o Distrito Federal acumulou taxa negativa (-1,6%).

Atividades turísticas crescem 4,1% em dezembro e 29,9% em 2022

Em dezembro de 2022, o índice de atividades turísticas cresceu 4,1% frente ao mês anterior, segundo resultado não-negativo seguido, já que registrou estabilidade no mês anterior. Dessa forma, o segmento de turismo se encontra 1,5% acima do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020) e 5,5% abaixo do ponto mais alto da série, alcançado em fevereiro de 2014.

Houve altas em 11 dos 12 locais pesquisados. A influência positiva mais relevante ficou com São Paulo (3,1%), seguido por Rio de Janeiro (6,1%), Minas Gerais (7,2%) e Distrito Federal (17,9%). O único resultado negativo foi no Rio Grande do Sul (-3,7%).

Na comparação entre dezembro de 2022 e dezembro de 2021, o volume de atividades turísticas no Brasil cresceu 12,6%, 21º taxa positiva seguida. Houve altas em 11 das 12 Unidades da Federação onde o indicador é investigado, com destaque para São Paulo (12,6%), seguido por Minas Gerais (30,2%), Rio de Janeiro (13,9%), Paraná (12,3%) e Santa Catarina (15,6%). Em sentido oposto, Pernambuco (-4,0%) registrou o único resultado negativo.

No acumulado do ano, o agregado especial de atividades turísticas cresceu 29,9%. Houve altas nos 12 locais investigados, com destaque para São Paulo (36,0%), seguido por Minas Gerais (49,4%), Rio de Janeiro (16,1%), Rio Grande do Sul (35,8%) e Bahia (23,4%).

Transportes de passageiros cresce 7,1% em dezembro e acumula alta de 29,2% no ano

Em dezembro de 2022, o volume de transporte de passageiros no Brasil registrou alta de 7,1% frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, acumulando ganhos de 11,1% nos dois últimos meses do ano. Dessa forma, o segmento registra patamar 5,4% acima do nível de fevereiro de 2020 (pré-pandemia) e 18,2% abaixo de fevereiro de 2014 (ponto mais alto da série histórica).

No acumulado no ano, o setor mostrou expansão de 29,2% frente a igual período de 2021.

Transportes de cargas cresce 1,4% em dezembro e tem alta de 15,0% em 2022

Em dezembro de 2022, o volume do transporte de cargas apontou expansão de 1,4% em dezembro de 2022, acumulando ganhos de 2,7% no período novembro-dezembro. Assim, o setor se situa 0,6% abaixo do ponto mais alto de sua série, alcançado em agosto de 2022. Com relação ao nível pré-pandemia, está 33,4% acima de fevereiro de 2020.

Já no acumulado no ano, o segmento avançou 15,0% frente a igual período de 2021.

Fonte: IBGE

Written By
Redação It's Money

A redação do portal It’s Money é formada por um time de profissionais com ampla experiência editorial, com acompanhamento e revisão de jornalistas especializados.