Onde Investir Renda Fixa

3 exemplos de títulos públicos para investir

3 exemplos de títulos públicos para investir
  • Publicado em 10 de dezembro de 2022

Os títulos públicos ativos de renda fixa emitidos pelo governo por meio do Tesouro Nacional representam a dívida pública e são usados para arrecadar dinheiro para financiar as atividades do governo, como melhorias de serviços para a população, educação, saúde e segurança.  

Basicamente, o investidor “empresta” recursos ao governo ao aplicar nesses ativos. Existem diversos exemplos de títulos públicos, entre eles: títulos prefixados, pós-fixados e híbridos. 

Vamos ver os exemplos em detalhes?

Boa leitura! 

1- Títulos Públicos Prefixados 

Os títulos públicos prefixados possuem uma rentabilidade acordada no momento do investimento.  

Assim, o investidor consegue prever exatamente qual a rentabilidade receberá com o investimento, sendo uma boa alternativa para quem prefere previsibilidade. 

Dentro do universo dos prefixados, ainda há duas categorias: o Tesouro LNT e o Tesouro NTN-F. 

Tesouro Prefixado LNT 

Nesse caso, o investidor recebe os juros no dia do vencimento do título. 

Tesouro Prefixado NTN-F 

Aqui, os juros são pagos de seis em seis meses, sendo um investimento mais recomendados para objetivos no médio prazo.  

2- Títulos pós-fixados 

Nos títulos pós-fixados, diferente dos prefixados, a rentabilidade não é fixa. Ou seja, o valor que o investidor receberá no final é impactado por uma série de fatores.  Veja abaixo:   

Tesouro Selic (LFT) 

Como o próprio nome diz, o Tesouro Selic tem sua rentabilidade atrelada à Taxa Selic, que é a taxa básica de juros da nossa economia. 

No momento (dezembro de 2022), a Selic está em 13,75% ao ano. Portanto, este é o retorno anual de quem investe no Tesouro Selic. 

No entanto, vale ressaltar que esse tipo de ativo paga o investidor apenas no vencimento. 

Assim, o investidor fica sujeito ao vai e vem da economia, já que a taxa de juros sobe e desce de acordo com cada momento.  

Por esse motivo, não tem como saber ao certo qual será o retorno no final, principalmente em vencimentos de longo prazo, apesar das previsões dos economistas.   

Justamente por isso, o Tesouro Selic costuma ser uma opção mais vantajosa para aplicações de curto prazo. 

3- Títulos Híbridos 

Os títulos híbridos também são chamados de títulos mistos. Eles são compostos por duas partes: uma prefixada e outra pós-fixada. 

Tesouro IPCA 

O Tesouro IPCA tem sua rentabilidade atrelada à inflação, tendo como referência o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). 

Desse modo, esse tipo de investimento é imprevisível no longo prazo, já que a inflação oscila conforme o andamento da economia do País.  

No entanto, o Tesouro IPCA tem rentabilidade baseado tanto na inflação quanto na taxa de juros prefixada, o que garante retornos acima da inflação.  

Portanto, o investidor fica protegido quanto às mudanças inflacionárias, protegendo o seu poder de compar.  

Por isso Tesouro IPCA é geralmente mais indicado para aplicações de médio e longo prazo e possui dois modelos de investimentos: 

  • IPCA NTN-B: investidor recebe os juros a cada seis meses; 
  • IPCA NTN-B Principal: juros são pagos apenas no vencimento. 

Conforme os exemplos de títulos públicos vistos acima, podemos observar que cada um deles possui características próprias. Assim, a escolha para sua carteira deve ser feita observando uma série de fatores, como: 

  • Perfil de investidor; 
  • Cenário econômico; 
  • Objetivos no curto, médio e longo prazo. 

Portanto, você não precisa analisar todas essas variáveis por conta própria, já que existem especialistas altamente qualificados para te ajudar na montagem de sua carteira.  

Caso ainda não sinta segurança para fazer essas escolhas sem suporte, basta clicar aqui para falar com um assessor de investimentos.  

Written By
Redação It's Money

A redação do portal It’s Money é formada por um time de profissionais com ampla experiência editorial, com acompanhamento e revisão de jornalistas especializados.