Onde Investir Primeiros Passos

Como fazer investimentos no mercado internacional sem sair do Brasil?

Como fazer investimentos no mercado internacional sem sair do Brasil?
  • Publicado em 2 de novembro de 2022

Os investimentos disponíveis no mercado internacional podem trazer diversos benefícios para a carteira, principalmente em momentos de incerteza econômica no Brasil. 

No entanto, muitos investidores deixam de procurá-los por acreditar que é preciso ter contas no exterior ou fazer câmbio para realizar os aportes.  

Se esse é o seu caso, saiba que existem formas de se expor ao mercado internacional sem sair do Brasil. Na prática, esses investimentos estão presentes na bolsa de valores brasileira, a B3, e em plataformas de corretoras de valores do nosso país. 

Ficou interessado em investir no mercado internacional sem sair do Brasil? Então confira como fazer os seus aportes a seguir! 

Por que investir no mercado internacional? 

Antes de saber como investir no mercado internacional por meio de alternativas negociadas no Brasil, você precisa conhecer as vantagens de se expor ao exterior. Nesse contexto, o principal benefício é a diversificação da carteira de investimentos. 

Trata-se de uma estratégia de gestão de riscos que pode ser adequada para todos os tipos de carteira e investidores — e ela é fundamental para potencializar a segurança e a rentabilidade do portfólio. Isso porque, com a diversificação, o investidor não fica exposto a somente um risco ou condição do mercado.  

Quando a maior parte do capital investido está atrelado a apenas um risco, qualquer movimento negativo impacta profundamente os resultados. Dessa forma, os investidores podem ter prejuízos expressivos e diminuir o seu patrimônio. 

Por outro lado, ao diversificar, a ideia é que o seu patrimônio fique exposto a diferentes ativos, mercados, riscos e economias diferentes. Assim, caso um deles tenha um movimento negativo, o impacto tende a ser melhor, já que outras alternativas da carteira podem ter um desempenho positivo. 

Além disso, os riscos compensam uns aos outros. Desse modo, se um mercado desvaloriza, outro pode se valorizar e compensar essas perdas. Logo, a diversificação proporciona um balanceamento dos riscos. 

Nesse cenário, o investimento em mercados internacionais também pode levar à exposição a economias mais sólidas, como a dos Estados Unidos. O país é conhecido como o maior mercado de valores mobiliários do mundo, possuindo alta liquidez e interesse de investidores. 

Dessa maneira, as crises econômicas e políticas brasileiras não chegam a impactar o mercado norte-americano. Por sua vez, os movimentos dos Estados Unidos costumam afetar o mundo todo, trazendo reflexo para a maioria dos países. 

Quais são os riscos de investir diretamente no mercado internacional? 

Apesar de trazer vantagens, como você viu, fazer investimentos no mercado internacional também acarreta riscos ao investidor. Portanto, é importante saber que diversas alternativas do exterior disponíveis no Brasil são de renda variável.  

Então não há garantias de rentabilidade, sendo que os investimentos podem, inclusive, desvalorizar. Dessa forma, você precisa ter um perfil de investidor compatível com esses riscos e escolher alternativas adequadas a essa característica. 

Ainda, é preciso pensar na exposição à moeda estrangeira. Embora os investimentos que você conhecerá adiante sejam feitos utilizando o real, eles estão atrelados a variações de ativos ou títulos internacionais. 

Por isso, o câmbio também influencia nos resultados do investimento internacional no qual você fez o aporte, tendo em vista que ele varia conforme a cotação da moeda estrangeira. Assim, há uma exposição ao câmbio, que tem variações não previsíveis. 

Desse modo, mesmo trazendo a possibilidade de uma diversificação mais ampla dos ativos da carteira de investimentos, você precisa pesar os riscos. Se seu perfil for conservador ou não quiser lidar com esses riscos, é preciso considerar essa questão antes de investir. 

Como fazer investimentos no mercado internacional sem sair do Brasil?  

Agora que você já sabe as vantagens e riscos de se expor ao mercado internacional, pode conhecer as alternativas brasileiras para alcançar esse objetivo. Com elas, você pode fazer os aportes em reais e com conta em uma instituição do Brasil. 

Veja só: 

BDRs 

BDR significa brazilian depositary receipt ou certificado de depósito de valores mobiliários. Ele é um ativo disponível na B3 e representa alternativas de investimentos internacionais, como ações, ETFs, títulos de dívidas, REITs etc. 

Logo, os BDRs não são os próprios ativos, mas sim recibos que têm lastro nas alternativas internacionais. Por meio desses certificados você pode se expor a grandes empresas americanas, como a Apple e a Amazon, por exemplo. 

A cotação dos BDRs segue uma paridade com o ativo que dá lastro, mas também há a exposição ao dólar. Dessa maneira, as oscilações podem não ser exatamente iguais entre os ativos, dependendo do câmbio entre moedas. 

A negociação de BDRs é bastante parecida com a das ações. Portanto, você precisa acessar o home broker por meio da sua corretora de valores. Nesse ambiente, você pesquisa pelo ticker do BDR desejado e emite a sua ordem de compra. 

Assim que a negociação for liquidada, os BDRs comprados farão parte da sua carteira. Com isso, você já terá uma exposição ao mercado internacional por meio dos ativos que lastreiam o BDR. 

ETFs 

Outra forma de se expor ao mercado internacional sem sair do Brasil são os exchange traded funds (ETFs). Diferentemente dos BDRs, eles não são investimentos, mas sim um veículo que o investidor utiliza para essa exposição. 

Os ETFs são fundos de investimento com a finalidade de espelhar os resultados de um índice do mercado financeiro. Então os investidores podem fazer aportes nesse fundo e o gestor responsável pelo patrimônio realizará as negociações necessárias para alcançar os objetivos propostos. 

Vale destacar que o índice escolhido pelo ETF pode ser de mercados internacionais. Exemplos comuns são o S&P 500 e outros índices das bolsas americanas. Assim, você pode se expor a diversas economias por meio de um único aporte. 

Fundos internacionais 

Os fundos internacionais também viabilizam o investimento em mercados de outros países. Eles são fundos de investimento, contudo, não têm o objetivo de seguir índices financeiros — como os ETFs. Na verdade, eles podem ter estratégias e focos diversos.  

Porém, em todos os casos, os fundos internacionais são compostos de forma majoritária por ativos e títulos internacionais. Desse modo, o portfólio pode investir diretamente nessas alternativas e o investidor, por meio da compra de cotas, se expõe a esse patrimônio. 

Nesses fundos, as cotas são negociadas por meio da plataforma de corretoras de valores. Logo, é preciso contar com uma boa instituição que forneça a possibilidade de aportar em diferentes fundos para que você possa fazer uma escolha mais acertada.  

Conseguiu entender como fazer investimentos no mercado internacional sem sair do Brasil? Com essas alternativas, você não precisa realizar cadastro em instituições internacionais ou fazer o aporte em outras moedas, facilitando o processo e a diversificação da sua carteira. 

Precisa de ajuda para entender melhor essas alternativas? Então conte com o suporte de especialistas, como a assessoria da Blue3 Investimentos. 

Written By
Redação It's Money

A redação do portal It’s Money é formada por um time de profissionais com ampla experiência editorial, com acompanhamento e revisão de jornalistas especializados.