Bolsa de Valores Onde Investir

O que é e como funciona o mercado de renda variável?

O que é e como funciona o mercado de renda variável?
  • Publicado em 11 de fevereiro de 2023

O mercado de investimentos é repleto de oportunidades — muitas delas compondo a classe de renda variável. Nessa classe, você poderá encontrar investimentos que apresentam mais riscos, mas que possuem maior potencial de ganhos. 

Antes de investir, entretanto, é essencial entender o funcionamento geral dos investimentos e instrumentos financeiros disponíveis. Assim, você conseguirá avaliar melhor os riscos e as possíveis vantagens — o que ajuda na tomada de decisão. 

Quer conhecer o que é e como funciona o mercado de renda variável? Continue a leitura e descubra! 

O que é a renda variável? 

A renda variável é uma classe de investimentos cujas condições de rentabilidade não são conhecidas previamente. Então, diferentemente de diversas aplicações de renda fixa, as alternativas de renda variável não têm garantia quanto ao retorno. 

Nessa classe também há um grau maior de volatilidade. Logo, as mudanças de preço podem ser significativas e frequentes. Como consequência, o investimento na renda variável pode gerar perdas financeiras. 

Por outro lado, o nível ampliado de riscos aumenta o potencial de ganhos. Em vez de se expor à rentabilidade limitada da renda fixa, é possível rentabilizar o patrimônio com maior intensidade na renda variável. 

Já em relação à liquidez — que é a facilidade de converter o investimento em dinheiro —, a renda variável apresenta diversas possibilidades. Estão disponíveis investimentos com alta liquidez e aqueles que exigem maior atenção quanto ao resgate. 

Como o mercado de renda variável funciona? 

O próximo passo para entender a renda variável envolve a compreensão sobre o funcionamento geral do mercado. Para começar, é preciso saber que existem ativos e derivativos financeiros na renda variável. 

Os ativos são os investimentos, propriamente ditos. Eles podem oferecer rentabilidade tanto no curto prazo quanto no longo prazo (como é mais comum na renda variável). 

Já os derivativos financeiros têm o valor atrelado e derivado de um ativo de referência ou de um índice. Eles não são investimentos, e sim instrumentos que servem para a proteção (hedge) de carteira ou para especular. 

Outra questão relevante no mercado de renda variável envolve os ambientes de negociação. Muitos investimentos estão disponíveis nos ambientes de bolsa de valores, que funciona como um mercado organizado de ativos e derivativos. 

Porém, outros investimentos de renda variável são negociados apenas na plataforma da instituição financeira. Portanto, tenha sempre em mente que renda variável não é sinônimo da bolsa de valores. 

Quais são os principais investimentos da renda variável? 

Agora que você conhece melhor o mercado de renda variável, é interessante conferir quais são as opções mais comuns nas estratégias de investimento. Por isso, conheça a seguir alguns dos investimentos dessa classe! 

Ações 

Uma ação representa a menor parte do capital social de uma empresa negociada na bolsa de valores. Ao comprar esses papéis, você se torna um acionista e participa dos resultados da companhia de capital aberto. 

Uma das formas de obter ganhos é pela valorização das ações — ou seja, quando você vende os papéis por um preço maior que o de compra. Além disso, investir em ações também pode gerar o pagamento de proventos, como os dividendos. 

ETFs 

Os fundos de índice ou exchange traded funds (ETFs) são fundos de investimento com cotas negociadas na bolsa de valores. Eles são veículos financeiros coletivos, cuja participação está condicionada à aquisição de cotas. 

Os recursos são movimentados por uma gestão profissional, de acordo com a estratégia estabelecida. No caso dos ETFs, o foco é replicar a carteira teórica de um indicador de referência. Logo, o desempenho desse fundo, antes de taxas e juros, tende a ser equivalente ao do índice espelhado.  

FII 

Os fundos de investimento imobiliário (FIIs) alocam a maior parte dos recursos em ativos ligados ao mercado de imóveis. Existem FIIs que focam em títulos imobiliários (fundos de papel), em imóveis físicos (fundos de tijolo) e em cotas de outros FIIs (fundos de fundos). 

Ademais, eles contam com o pagamento de dividendos e, em alguns casos, esses proventos podem ser mensais. Assim como os ETFs, os FIIs têm cotas negociadas na bolsa de valores brasileira, a B3. 

Fundos de ações 

Os fundos de investimento em ações priorizam a alocação de recursos em ações, opções de ações, debêntures conversíveis em ações e outras opções do mercado financeiro. Com isso, você pode se expor a uma carteira variada de papéis a partir da compra de cotas. 

Vale destacar que, embora as ações sejam negociadas na bolsa de valores, esses fundos ficam disponíveis nas plataformas de investimento da sua corretora de valores. 

Fundos multimercados 

Os fundos multimercados são conhecidos por terem mais autonomia e flexibilidade na alocação de recursos. Isso porque eles não precisam atender a critérios mínimos de aporte, mas devem seguir as estratégias específicas definidas no regulamento.  

Assim, é possível encontrar fundos multimercados com exposição tanto à renda variável quanto à renda fixa. Há, inclusive, fundos multimercados focados no mercado de criptomoedas.  

O investimento nesse tipo de fundo também é feito por meio das plataformas das instituições financeiras. 

Derivativos 

Como você viu, o mercado de renda variável também é composto por derivativos financeiros. Esses instrumentos não são investimentos, mas podem atender a objetivos diversos — desde a redução dos riscos até a obtenção de ganhos no curto prazo. 

Entre os derivativos, estão opções, contratos futuros e contratos a termo. Eles são negociados na bolsa de valores, em ambientes específicos — mercado de opções, mercado futuro e mercado a termo, respectivamente. 

Como investir na renda variável? 

Após compreender as diferentes características do mercado de renda variável, é preciso aprender como fazer o investimento. Para isso, você deve ter conta aberta em uma corretora de valores. 

Por meio dela, você acessará o home broker para investir na bolsa de valores, por exemplo. Também é possível fazer investimentos por meio da plataforma, no caso das alternativas que não são negociadas na bolsa. 

Porém, além da questão operacional, é essencial pensar na estratégia de alocação. Por isso, você deve definir seu perfil de investidor e seus objetivos financeiros. Assim, você saberá se é capaz de tolerar os riscos da renda variável e quais alternativas fazem mais sentido para as suas necessidades.  

Agora você já sabe como funciona o mercado de renda variável e o que ele pode oferecer. Se essa classe for adequada para os seus objetivos e para o seu nível de tolerância ao risco, é possível aproveitar os diferentes investimentos disponíveis em sua estratégia.  

Gostou de conhecer essa classe? Se precisar de ajuda para entender mais da renda variável e conhecer outros investimentos dessa classe, fale um especialista da BLue3 Investimentos. 

Written By
Redação It's Money

A redação do portal It’s Money é formada por um time de profissionais com ampla experiência editorial, com acompanhamento e revisão de jornalistas especializados.