Suzano (SUZB3) tem lucro líquido de R$ 4,515 bilhões no 4T23, queda de 39%      

resultados-corporativos

Suzano (SUZB3) tem lucro líquido de R$ 4,515 bilhões no 4T23, queda de 39%      

28 fev 2024Última atualização: 20 junho 2024

Redação It's MoneyRedação It's Money
its-money-suzb3-analise-de-resultado

A Suzano (SUZB3) reportou um lucro líquido de R$ 4,515 bilhões no quarto trimestre de 2023, contra o prejuízo de R$ 729 milhões no trimestre passado. No entanto, a baixa é de 39% em relação ao mesmo período de 2022.

Segundo a companhia, em seu release de resultados: “O ano de 2023 foi mais um ano em que a Companhia seguiu consistente no avanço de sua estratégia e que, apesar de um primeiro semestre desafiador marcado pela queda do preço da celulose, tivemos uma melhora significativa no sentimento de mercado principalmente na segunda metade do ano.” 

O Ebitda ajustado (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) foi de R$ 4,5 bilhões, uma queda de 45%. O resultado levou a uma margem de 43%, baixa de 13 pontos percentuais (p.p.).

Receita

A receita líquida da Suzano no 4T23 foi de R$ 10.372 milhões, sendo 77% gerada no mercado externo (vs. 75% no 3T23 e 83% no 4T22).

Em relação ao 3T23, a elevação de 16% é explicada pela companhia da seguinte forma: “i) pelo maior volume vendido no período (+12%); ii) pelo maior preço médio líquido da celulose em USD (+4%); iii) pela valorização do USD médio frente ao BRL médio (+2%). A queda de 28% da receita líquida consolidada em relação ao 4T22 é explicada principalmente pelo menor preço médio líquido da celulose em USD (-31%), pelo menor preço médio líquido de papel em dólar no mercado externo (-35%) e pela desvalorização do USD médio frente ao BRL médio (-6%)”. 

Resultado trimestral Suzano (SUZB3) 

 A seguir, confira abaixo os principais destaques do resultado trimestral da Suzano (SUZB3): 

  • Vendas de celulose de 2.761 mil ton (estável vs. 4T22).
  • Vendas de papel³ de 386 mil ton (14% vs. 4T22).
  • EBITDA Ajustado1 e Geração de caixa operacional²: R$ 4,5 bilhões e R$ 2,8 bilhões, respectivamente.
  • EBITDA Ajustado1/ton de celulose em R$ 1.360/ton (-48% vs. 4T22).
  • EBITDA Ajustado1/ton3 de papel em R$ 1.936/ton (-27% vs. 4T22).
  • Preço médio líquido de celulose – mercado externo: US$ 572/ton (-31% vs. 4T22).
  • Preço médio líquido de papel3 de R$ 6.732/ton (-5% vs. 4T22).
  • Custo caixa de celulose sem paradas de R$ 816/ton (-13% vs. 4T22).
  • Alavancagem em USD em 3,1x e 3,0x em BRL.
  • Projeto Cerrado atinge 86% de progresso físico e 78% de progresso financeiro.

Confira a tabela com os principais resultados da Suzano no 4T23. Acesse o release completo no site da empresa. 

Análise de resultado Suzano (SUZB3) 

“Achei um resultado interessante. No lado positivo, o custo caixa da empresa reduziu por mais um trimestre, o que gera ainda mais segurança para ela em momentos negativos”, avalia Renato Reis, analista fundamentalista da DVinvest 

No entanto, segundo o analista, as despesas aumentaram de modo relevante e atingiram um dos maiores níveis histórico em 2023, fruto da aquisição da Kimberly Clark, que tem uma margem de lucro menor. 

No mais, ele complementa: “acho a empresa bem precificada hoje, com a elevação do preço alvo se dando por perspectivas mais otimistas quanto a margem de lucro futura dela”. 

Além da Suzano (SUZB3), confira os resultados corporativos do 4T23 já divulgados pelas empresas.  

Histórico de resultados SUZB3 

 Agora, confira abaixo o histórico de resultados da Suzano (SUZB3), com um resumo dos principais números levantados no relatório da empresa, além da análise do especialista. Boa leitura! 

 Balanço corporativo SUZB3 3T23 

A Suzano (SUZB3) reportou um prejuízo de R$ 729 milhões. Isso contra lucro líquido de R$ 5.078 milhões no 2T23 e lucro líquido de R$ 5.448 milhões no 3T22.

Além da Suzano, Multiplan, Copasa, Hypera, NeoenergiaSantanderKlabinRomi e WEG já divulgaram os resultados corporativos do 3T23.

Segundo a companhia, a variação em relação ao 2T23 foi decorrente principalmente da variação negativa no resultado financeiro. “Por sua vez explicada pelo impacto negativo da desvalorização cambial sobre a dívida e operações com derivativos (em contrapartida ao resultado positivo observado no trimestre anterior). Adicionalmente, a ausência da reavaliação do ativo biológico contribuiu para a queda observada na rubrica outras receitas/despesas operacionais.”

O Ebitda ajustado (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) foi de R$ 3,695 bilhões, uma queda de 57% na comparação com mesmo período de 2022, levando a uma margem de 41%, baixa de 20 pontos percentuais (p.p.).

Para justificar essa baixa, a Suzano cita quatro razões: menor preço médio líquido da celulose em dólar (-33%), menor volume vendido (-10%), pela desvalorização do dólar frente ao real (-7%); e maior SG&A (+12%), sobretudo por maiores despesas administrativas decorrente de maiores gastos com pessoal (remuneração variável) e da incorporação das despesas como resultado da aquisição do negócio de tissue da Kimberly Clark no Brasil, conforme explicado anteriormente.

Receita

Por fim, a receita líquida ficou em R$ 8,948 bilhões, uma baixa anual de 37%.

“Apesar da redução do preço médio líquido realizado de celulose, o terceiro trimestre de 2023 foi marcado pela melhora de sentimento no mercado. Principalmente em função da importante elevação da demanda na China”, explicou a companhia.

Além disso a Suzano reportou que a evolução dos fundamentos suportou uma sequência de aumentos de preço, ainda não totalmente refletidos no 3T23. Neste contexto, o menor preço realizado combinado com volumes praticamente estáveis, resultaram na redução do EBITDA ajustado neste segmento.

“No que diz respeito ao desempenho do custo caixa de produção sem o efeito das paradas programadas para manutenção, foi observada uma nova queda deste indicador em decorrência sobretudo do menor consumo e menor preço dos insumos”.

Em relação à gestão financeira, a dívida líquida medida em dólar apresentou leve aumento ao atingir US$ 11,5 bilhões, principalmente em função do maior ciclo histórico de investimento da Companhia, focado em gerar um significativo e sustentável valor no longo prazo.

Análise de resultado SUZB3 (3T23)

Renato Reis, analista fundamentalista da DVinvest que faz análises dos resultados corporativos para o It’s Money, diz que a parte de celulose veio em linha com o que era esperado. Isso poque o preço da matéria prima reduziu bastante, o que afetou a receita e as margens de lucro, assim como no 2T.

“O que me surpreendeu negativamente foi o setor de papel, que mesmo com preços e volumes estáveis, apresentou piora na margem de lucro. Isso fruto de um aumento nas despesas gerais e com vendas do segmento”, diz.

Ainda segundo ele, como o preço da celulose subiu bastante a partir de setembro, o 4T23 deve ser bem melhor. “Imagino que o mercado já esteja olhando para isso. Então, não sei se o papel vai ter muita volatilidade amanhã. De todo modo, foi um resultado ok. Mas fico preocupado com a Suzano devido ao alto grau de alavancagem e ao volume de hedges, que afetam de modo relevante o lucro da empresa e fogem do controle dela.”

suzb3-analise-de-resultado
Confira a tabela com os principais resultados da Suzano no 3T23. Acesse o release completo no site da empresa

Histórico de resultados corporativos da SUZB3

A Suzano (SUZB3) divulgou seu release de resultados do 2T2023 e mostrou lucro líquido de R$ 5,078 bilhões. Ou seja, quase 28 vezes mais os R$ 182 milhões do mesmo período de 2022, quando a companhia sofreu um forte revés em seu resultado financeiro devido às oscilações do câmbio.

Porém, na comparação com os três primeiros meses de 2023, porém, houve queda de 3% sobre o lucro de R$ 5,243 bilhões.

Segundo o release de resultados, a queda aconteceu, principalmente, pelo maior resultado positivo com variações cambiais e operações com derivativos. “Esses efeitos foram parcialmente compensados pelas variações positivas no resultado financeiro e pela reavaliação positiva do ativo biológico na rubrica outras receitas/despesas operacionais”, explica a empresa.

Ebitda

O Ebitda ajustado da Suzano (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) fechou em R$ 3,919 bilhões no segundo trimestre do ano. Ou seja, valor é 38% menor na comparação anual. Assim, representa recuo de 36% ante o trimestre imediatamente anterior.

Para justificar o recuo do Ebitda em relação ao mesmo período de 2022, a Suzano cita o menor preço médio líquido da celulose em dólar (-21%). Bem como o menor volume vendido (-6%). Além disso, cita o aumento do CPV base caixa (+2%), em função do maior custo caixa de produção. Por fim, o maior G&A base caixa (+18%), sobretudo por maiores despesas administrativas em função da elevação dos gastos com pessoal.

Por fim, em relação à receita líquida da Suzano, o resultado foi de R$ 9,16 bilhões no 2T2023. O valor representa queda de 20% na comparação anual e uma redução de 19% ante os três meses imediatamente anteriores.

Análise de resultado SUZB3 (2T23)

Para Renato Reis, analista fundamentalista da DVinvest, o resultado não foi positivo.

“Apesar do número mais fraco já ser esperado devido à queda na celulose ao longo dos meses e devido às paradas programadas nas fábricas, o fato da Suzano estar focando somente na celulose enquanto as concorrentes estão se desenvolvendo em papel/embalagens está gerando uma diferença relevante.”

Redação It's Money

Redação It's Money

A redação do portal It’s Money é formada por um time de profissionais com ampla experiência editorial, com acompanhamento e revisão de jornalistas especializados.

Saber mais

Gostou do conteúdo?

Queremos sempre melhorar a experiência a sua experiência. Se puder, dê uma forcinha para o time de redação e conte o que você achou da edição de hoje.

O que achou deste conteúdo?

  • Ruim
  • Ótimo
As melhores análises do mercado

Receba em primeira mão as melhores análises do mercado financeiro diretamente em sua caixa de entrada. Nossa newsletter oferece insights exclusivos, tendências e perspectivas sobre o mercado.

Deixe-me ler primeiro uma amostra